Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/01/18 às 12h35 - Atualizado em 18/06/18 às 16h06

Perguntas Frequentes – Iprev

 

 

  • Reforma da Previdência Estadual aprovada no Legislativo. Qual o seu impacto?

No ano de 2017, foi publicada no Diário Oficial da União – DODF nº 43, de 03/10/2017, a Lei Complementar nº 932, de 03 de outubro de 2017, que estabeleceu as diretrizes de reorganização e unificação do Regime Próprio de Previdência Social do Distrito Federal – RPPS/DF.

A reforma da Previdência estadual modificou a segregação de massas existentes no âmbito do DF, criou um Fundo de Solvência (denominado Fundo Solidário Garantidor) e institui a Previdência Complementar no DF.

Em relação à segregação de massas, a Lei aprovada, ao reunir todos os atuais servidores em um mesmo fundo previdenciário, importou em um significativo aumento da base contributiva do fundo financeira, financiado por meio de repartição simples. Com essa alteração, houve, de plano, uma redução do déficit desse fundo em cerca de 800 milhões de reais.

Adicionalmente a isso, foi criado um fundo solidário de solvência, responsável por rentabilizar e monetizar os ativos previdenciários do DF. Esse fundo possui patrimônio atual da ordem de 5,4 bilhões composto por 3,6 bilhões em recursos financeiros, 1,3 bilhões em imóveis e 500 milhões de reais em ações do BRB.

 

  • Quanto já foi retirado da aposentadoria dos servidores para uso do Governo do Distrito Federal?

Nenhum recurso foi retirado de aposentadorias para uso do GDF. Antes da publicação da LC 932/2017, o que foi determinado pelas Leis Complementares 899 e 920 foi a utilização do superávit do Fundo Capitalizado do para permitir o pagamento em dia das aposentadorias e pensões dos servidores vinculados ao Fundo Financeiro do IPREV, época em que o primeiro era composto pelos servidores que ingressaram no serviço público após 01.01.2007 e o segundo composto pelos servidores que ingressaram no serviço público até 31.12.2006. Vale lembrar que a própria Constituição Federal, quando trata de aposentadorias no serviço público, prevê que o regime é baseado na solidariedade, razão pela qual foi possível o auxílio de um fundo ao outro.

 

  • O que muda com a Previdência Complementar?

A LC 932/2017 prevê a instituição da previdência complementar apenas para os novos servidores admitidos após sua criação. Os atuais servidores ficarão vinculados ao Fundo Financeiro. Os futuros servidores passarão a contribuir para o Fundo Capitalizado e se aposentarão com o limite do teto do INSS. Para aumentar seu benefício, o servidor passará a contribuir para o regime complementar, onde cada real investido pelo futuro servidor, o Estado investe paritariamente um real em um regime de contas individuais que se capitaliza no tempo.

 

  • Algumas pessoas alegam que o Governo do Distrito Federal teria pego dinheiro emprestado do Iprev/DF e isto teria causado um déficit. Isto é verdade?

Em primeiro lugar é importante repetir que não houve empréstimo de recursos do Iprev/DF ao GDF. As operações ocorreram antes da LC 932/2017 e foram uma forma de um dos fundos do Regime Previdenciário do DF socorrer o outro fundo, para evitar parcelamento de proventos de aposentadoria e pensões.

Como já dissemos, essas retiradas, por terem sido limitadas apenas ao superávit existente à época do plano capitalizado, ou seja, recursos que atuarialmente não seriam necessários para o pagamento dos benefícios atuais e futuros, e ter sido prevista a sua recomposição com outros ativos, em nada atrapalham na solidez e liquidez do fundo capitalizado no longo prazo.

A existência de déficit no Iprev/DF acontece em relação ao Fundo Financeiro. Nesse fundo, o déficit anual é causado pelo fato de que cada vez há mais servidores se aposentando, enquanto os novos servidores ingressarão apenas no Fundo Capitalizado, após a criação da Previdência Complementar do DF.

Nesse fundo deficitário, a relação entre ativos/inativos é de apenas 1,5 ativos para cada aposentado. Para o sistema estar em equilíbrio seria necessário uma proporção de 1 aposentado para cada 3,3 ativos.

 

  • Como são aplicados os recursos previdenciários sob gestão do IPREV/DF?

A aplicação dos recursos fica a cargo da Diretoria de Investimentos – DIRIN, que atende às disposições constantes na Resolução do Conselho Monetário Nacional nº 3.922/2017, Política Anual de Investimentos  aprovada pelo Conselho de Administração – CONAD, deliberações do Comitê de Investimento e Análise de Risco – CIAR  e demais normas  em vigor.

As aplicações são efetuadas em fundos de investimentos previamente credenciados por meio de editais de credenciamento.

Os recursos do Fundo Solidário Garantidor são aplicados de forma apartada por fundo:   Financeiro e Solidário Garantidor.  Em função da necessidade de elevados níveis de liquidez os recursos do Fundo Financeiro são aplicados exclusivamente em ativos de curto prazo.

 

 

  • Os mandados notificação para prestação de informações em mandados de segurança, em que figure como autoridade coatora o dirigente da estrutura do Iprev/DF, podem ser recebidos na Autarquia?

O mandado de notificação à autoridade indigitada coatora decorrente de eventual concessão de medida liminar, ou aquele que solicita informações acerca do ato que ensejou a impetração deve ser recebido no Iprev/DF, via protocolo, pela Diretoria Jurídica, ou diretamente, pela Chefia da Assessoria Especial da Presidência. Nesses casos, as informações devem ser encaminhadas diretamente ao juízo solicitante, perante o qual tramita a ação, com posterior encaminhamento à Procuradoria Geral do DF, por meio de ofício, com as informações pertinentes ao caso.

 

  • Os mandados, ofícios ou outros expedientes encaminhados por Oficial de Justiça ou pelos Correiosque solicitem providências em processos nos quais o Distrito Federal, por meio do Iprev/DF não figure como parte devem ser recebidos na Autarquia?

Tais expedientes devem ser recebidos, via protocolo, pela Diretoria Jurídica, para prestação das informações solicitadas ou adoção das providências determinadas, com posterior comunicação diretamente ao juízo solicitante, sem necessidade de informação à PGDF. Em casos excepcionais, nos quais se entenda pertinente a atuação judicial da PGDF, tal providência pode ser solicitada por meio de ofício, com as explicações necessárias para o ingresso em juízo.

 

  • Os mandados judiciais cumpridos por oficial de justiça devem ser recebidos no âmbito do Iprev/DF?

Via de regra, tais mandados não devem ser recebidos no Iprev/DF, já que a atribuição referente à representação judicial é da competência exclusiva da PGDF, devendo o oficial de justiça ser redirecionado àquela Casa Jurídica.

 

 

EXCEÇÕES:

 

  • Os casos de mandados judiciais expedidos direta e pessoalmente à autoridade ou ao servidor público vinculado ao Iprev/DF, encartando determinação judicial de cumprimento material imediato, que visem a evitar risco à vida, à saúde, à segurança, à integridade física ou psíquica ou ao patrimônio do autor da ação judicial, dentre outros de igual magnitude. Nesses casos, já que o mandado judicial encarta ordem direta de cumprimento material imediato, o expediente deve ser recebido e a ordem judicial deve ser cumprida, com posterior envio, por ofício, à PGDF, com as informações pertinentes ao caso.

Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

IPREV

SCS Quadra 09, Torre B, 1º andar, Edifício Parque Cidade Corporate, Asa Sul, Brasília/DF - CEP: 70308 200 | Telefone: (61) 3226 5504 | E-mails: Atos oficiais: presidência@iprev.df.gov.br; Atendimento geral: atendimento@iprev.df.gov.br; Ouvidoria: ouvidoria@iprev.df.gov.br; Imprensa: comunicacao@iprev.df.gov.br